Ultrassonografia e seu papel na detecção do câncer
05/03/2018

Ultrassonografia e seu papel na detecção do câncer

O conceito básico da ultrassonografia é utilizar o eco vindo do choque entre o som emitido pelo aparelho e a estrutura a ser visualizada para gerar imagens, em tempo real, de órgãos do corpo. É similar aos princípios de radares e sonares utilizados por embarcações e do sistema de localização dos morcegos. Dessa forma, é […]

O conceito básico da ultrassonografia é utilizar o eco vindo do choque entre o som emitido pelo aparelho e a estrutura a ser visualizada para gerar imagens, em tempo real, de órgãos do corpo. É similar aos princípios de radares e sonares utilizados por embarcações e do sistema de localização dos morcegos. Dessa forma, é possível determinar a distância do que se pretende visualizar, sua dimensão, forma e consistência.

Chamados de transdutores, os aparelhos responsáveis por emitir as ondas sonoras podem ser de vários formatos e emitir diferentes faixas de frequência, conforme o tipo de exame ou de estrutura que será avaliada.

Há uma variação do procedimento chamada doppler, que permite identificar o sentido e a velocidade da corrente sanguínea em determinado segmento do corpo, mais utilizada em gestantes e em caso de complicações vasculares.

Ultrassonografia e o câncer

A ultrassonografia permite a captação de imagens suficientemente claras para identificar a presença de tumores no corpo. A ultrassonografia das mamas, por exemplo, é um excelente exame complementar à mamografia, permitindo que o médico possa detectar nódulos benignos, suspeitos ou, até mesmo, o câncer propriamente dito. É importante notar que o exame não substitui a mamografia nesses casos.   

Como funciona o exame?

  • Para que você entenda melhor, destrinchamos o procedimento em algumas partes:
  • O paciente é deitado em uma maca, que fica ao lado do aparelho e em ambiente escuro, para a melhor visualização das imagens;
  • Um gel inodoro é aplicado sobre a pele na região a ser examinada, para garantir que o transdutor emita as ondas sonoras sem muitas interferências;
  • No caso de uma ultrassonografia transvaginal, é necessária a introdução do transdutor na vagina após a paciente esvaziar a bexiga. O mesmo acontece na transretal;
  • A duração varia de acordo com o motivo da realização do exame e sua complexidade.

Pré-exame

No caso de ultrassonografia abdominal, é recomendado que o paciente mantenha jejum de quatro horas antes do exame, para evitar que a presença de alimentos no estômago atrapalhe a visualização. Alguns locais pedem o uso de um medicamento para ajudar a eliminar gases presentes nas alças intestinais, uma vez que podem dificultar a penetração das ondas sonoras.

Referências