09/02/2018

Como lidar com a própria sexualidade durante o tratamento do câncer de mama?

Muitas mulheres que estão passando ou passaram pelo câncer de mama enfrentam dificuldades quando o assunto é sexualidade. Queda de cabelo e dos pelos, retirada das mamas, perda de libido e secura vaginal são alguns dos motivos pelos quais a mulher se sente insegura quanto a sua sexualidade, em relação ao próprio corpo e a […]

Muitas mulheres que estão passando ou passaram pelo câncer de mama enfrentam dificuldades quando o assunto é sexualidade. Queda de cabelo e dos pelos, retirada das mamas, perda de libido e secura vaginal são alguns dos motivos pelos quais a mulher se sente insegura quanto a sua sexualidade, em relação ao próprio corpo e a como o parceiro reagirá a ele. Assim, o psicológico afeta a qualidade da atividade sexual do casal. Para a mulher, os seios são carregados de simbolismos e vistos como uma insígnia de sua identificação e sexualidade.

Entretanto, a prática sexual deve ser estimulada durante e depois do tratamento. Enquanto, nos Estados Unidos, o termo oncosexology (“oncossexologia”, em tradução livre) já é muito debatido, e em Portugal já há vários estudos conduzidos sobre o assunto, no Brasil, a pauta é negligenciada na formação profissional, e até considerada um tabu.

Como parte do ser humano, a sexualidade é de extrema importância, sendo considerada pela OMS “parte da personalidade de cada um, sendo uma necessidade básica e um aspecto do ser humano que não pode ser separado de outros aspectos da vida”. Ela influencia pensamentos, sentimentos, ações e interações e, portanto, a saúde física e mental.

Há um despreparo por parte dos profissionais, que têm a cura como prioridade, mas esquecem outros fatores importantes para a mulher, que devem ser abordados, sendo a sexualidade um dos principais.

 

Confira algumas dicas para melhorar a sua vida sexual:

  • Procure ajuda psicológica, para acelerar o processo de adaptação e aceitação em relação ao seu novo corpo.
  • Pratique atividades físicas, pois movimentar o corpo, nesse período, pode ajudar a melhorar não só o desempenho sexual, mas outros aspectos da sua vida, como autoestima, bem-estar e condicionamento físico.
  • Utilize lubrificantes à base de água durante a quimioterapia e radioterapia. Utilize o aplicador, porque a lubrificação deve chegar até o canal vaginal, para que não haja incômodos no ato sexual. Peça que seu médico receite algum medicamento que contenha substâncias que possam potencializar o efeito da lubrificação.
  • É comum perder a libido durante o tratamento, por isso, invista no poder da sua mente e da sua imaginação.
  • Utilize acessórios como uma lingerie especial, para sentir-se mais atraente, ou um lenço para cobrir a carequinha, caso sinta essa necessidade. Isso pode elevar sua autoestima e ajudar a melhorar a forma como você se enxerga.

Para tratar desse tema tão importante, no dia 29 de novembro nós fizemos uma transmissão ao vivo em nossa página no facebook com a participação da Dra. Carmita Abdo (psiquiatra e sexóloga), Evelin Scarelli (paciente e blogueira) e a apresentação da jornalista Daiana Garbin. Nossas convidadas discutiram sobre a saúde da mulher durante o tratamento, a sexualidade da paciente com câncer de mama e a importância do apoio familiar.

 

Se você ainda não curte a nossa página, não deixe de curtir! Assim você fica por dentro de todas as novidades. Clique aqui para curtir Mulher Consciente no Facebook.

 

Você pode assistir a transmissão clicando aqui. Uma mulher consciente é uma mulher bem informada.

 

Referências